Maranhão passa a contar com um ‘Guia de Centros e Museus de Ciência’

O Governo do Estado concluiu e vai lançar no próximo dia 2 de junho o “Guia de Centros e Museus de Ciência do Maranhão”. O levantamento inédito dos espaços científicos maranhenses é uma iniciativa da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti). O objetivo é contribuir para a popularização e difusão da ciência a partir da divulgação dos locais que produzem, trabalham e contribuem com o conhecimento. O lançamento do guia impresso e online acontecerá em Chapadinha, no auditório da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), às 14h, em evento que contará com a presença do secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada.

“A grande relevância do guia é chamar a atenção da sociedade para a existência desses centros e museus de ciência, e, com isso, atrair mais público e paralelamente estimular outros espaços como esses, que sejam constituídos no Maranhão”, disse Jhonatan Almada. Ao colocar em evidências esses espaços, o governo, além de estimular o público em geral, sobretudo crianças e jovens, a frequentar os centros, contribui para o despertar de novas vocações científicas, acredita o secretário.

Os espaços catalogados no guia, na sua maioria, segundo destacou o secretário, foram criados com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema). Por meio de editais, a fundação tem fomentado a constituição, manutenção e ampliação de acervos e espaços.

Levantamento

O trabalho foi baseado em questionários, pesquisas, visitações técnicas e registros fotográficos a fim de identificar o perfil de cada centro distribuído em diversas localidades do Maranhão. A Secti contou com a parceria do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) e Museu Artístico e Histórico do Maranhão (MAHMA), ligado à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (SECTUR).

Pelo levantamento, foram identificados oito desses espaços localizados nas cidades de Alcântara (Casa de Cultura Aeroespacial), Caxias (Memorial da Balaiada e Laboratório de Materiais e Divulgação Científica), Chapadinha (Museu de História Natural do Leste Maranhense), Imperatriz (Centro de Pesquisa em Arqueologia e História Timbira) e São Luís (Centro de Pesquisa de História Natural e Arqueológica do Maranhão, Laboratório de Divulgação Científica Ilha da Ciência e Parque Botânico da Vale).

O Memorial da Balaiada, em Caxias, a 365 km da capital maranhense, preserva todo o registro histórico de um importante conflito: a Balaiada, ocorrido no período de 1838 a 1841. O Centro de Pesquisa em Arqueologia e História Timbira, em Imperatriz, fundado em 2015, abriga acervo arqueológico e pesquisa de reconstituição de antigas civilizações que habitaram na região sul maranhense. O Museu de História Natural do Leste Maranhense (MHNMA), em Chapadinha, atua na biodiversidade e propagação da biologia.

Em São Luís, o Centro de Pesquisa de História Natural e Arqueologia do Maranhão, localizado na Praia Grande, possui presente atuação nas áreas de Paleontologia, Arqueologia, Etnologia, além de vasto acervo de pesquisas e ações para áreas do conhecimento, valorização e preservação patrimonial. Ainda em São Luís, o Parque Botânico da Vale, localizado na Avenida dos Portugueses, no Anjo da Guarda, foi apontado no levantamento como incentivador de Botânica.

Também foram identificados os laboratórios de Divulgação Científica – Ilha da Ciência da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), e o de Materiais de Divulgação Científica da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), em Caxias.

 

 

 

FONTE: GOVERNO DO ESTADO

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.