Jovem relata como foi estuprado por desconhecido

Eu nunca imaginei escrever um texto como esse. Nunca imaginei que algo que eu luto contra fosse me fazer de vítima um dia”. É assim que Mateus Henrique, um jovem de 23 anos, começa seu desabafo em uma postagem no Facebook.

O rapaz foi vítima de um estupro no último domingo, 20, em Uberaba, interior de Minas Gerais. De acordo com o G1, o crime  foi registrado pela Polícia Militar, e o boletim de ocorrência informa que o jovem foi encontrado pela polícia com as mãos e os pés amarrados, às margens de uma entrada do Bairro Jardim Eldorado após uma denúncia anônima.

A polícia também informou que, após receber os primeiros socorros no hospital, a médica plantonista constatou a violência sexual. Ainda não há sinal do suspeito do crime.

Ao G1, o jovem disse estar recuperando-se dos ferimentos em casa e tomando medicamentos para tentar manter a calma, enquanto aguarda o início das investigações que podem localizar seu agressor.

O relato

“Na manhã desse último domingo, durante minha caminhada matinal, eu, Mateus, homem cis, 23 anos, fui vítima de um estupro. Não foi sequestro, não foi assalto e mesmo que pareça, não foi homofobia. Foi estupro”, disse o jovem no Facebook.

De acordo com o relato do rapaz, ele foi abardado por um homem armado que estava em um carro. Sem tem como fugir, ele teve que entrar no carro e acabou sendo torturado e estuprado pelo homem.

Mateus Henrique ainda conta que o homem tinha a intenção de capturar uma mulher, mas como não conseguiu, atacou o jovem. “‘Parabéns, você salvou uma mulher hoje’ disse ele depois de me amordaçar, amarrar e mandar correr descalço no asfalto quente antes que ele voltasse com outra ideia”, relata Mateus.

No relato, o rapaz ainda conta que teve dificuldades de conseguir ajuda e nem os policiais ou a equipe médica que o atendeu estavam preparados para atender um caso similar ao seu.

“Sempre achei brega as pessoas que usam o Facebook como diário. Porém, numa sociedade tão cretina como a nossa é importante reafirmar que estupro existe e não é mimimi. Existe, e homens – gays, héteros, bi – não são imunes”, continua Mateus.

Mateus finaliza o relato se perguntando se a postagem na rede social serviria para alguma coisa. “Acreditem, eu escrevo esse texto com muita dor, relutância, vergonha e absolutamente nenhum orgulho. Debati comigo mesmo várias vezes se isso realmente ia servir de alguma coisa e pode ser que eu me arrependa”, diz.

 

A postagem de Mateus teve mais de 14 mil reações e 2,7 mil compartilhamentos na rede social. Confira o relato assustador de um rapaz que teve a coragem de contar sobre um ato de violência que atinge milhares de mulheres ao redor do mundo, mas que também pode acontecer com um

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.