Governo incentiva resgate dos blocos carnavalescos de rua no Centro de São Luís

Seguindo a tradição das prévias do carnaval no bairro Madre Deus, em São Luís, os blocos tradicionais e organizados, movimentam os foliões ao som da marcação forte dos tambores maranhenses. A concentração da folia momesca ocorre aos finais de semana na Praça da Saudade. No último domingo (12), a programação contou com a participação da cantora Rose Maranhão e do cantor Allysson Ribeiro, como parte da programação oficial do ‘Pré-carnaval de Todos’, realizado pelo Governo do Maranhão.

Nas ruas ao lado da praça, a concentração de brincantes era em volta de uma roda de samba de raiz, organizada pelos próprios moradores do bairro. Na porta de casa, na Rua do Norte, o procurador do Estado, Antonio José Oliveira Gomes, se diverte e diz que mantém o pique de todos os anos com a roda organizada por familiares e amigos. “Aqui o samba pede passagem. Estamos, tradicionalmente, todos os anos, fazendo essa folia com muita paz, amor e o nosso samba de raiz. Aqui é só gente do bem, amigos, familiares e conhecidos”.

Quem segue o ritmo do som que ecoa dos pandeiros da roda de samba e, ao mesmo tempo, sacode o maracá é a aposentada e moradora do bairro do Lira, vizinho a Madre Deus, Maria de Ildener Bayma de Jesus, de 77 anos.   “Eu tenho fôlego para vários dias de festa e gosto muito desse momento, o que acontece todos os domingos, antes do carnaval, aqui na Madre Deus. Eu brinco aqui, na Turma do Quinto, no bloco C… de Asa e, assim,  lá se vão décadas na folia”, vibrou.

Mais a frente, nas proximidades da Praça da Saudade, na estrutura montada pelo Governo do Estado, se apresentava no palco o Ritmistas da Madre Deus. Também animaram o público na Madre Deus, o Bloco Cia do Ritmo, a cantora Rose Maranhão, o Marabloco e o cantor Allysson Ribeiro.

Ao som do Ritmistas da Madre Deus, um grupo de amigos, vestidos de fofão e máscaras, resgatava parte da tradição do carnaval maranhense. “Eu, minha família e amigos sempre saímos de fofão. É algo cultural no nosso meio e eu e meus irmãos saímos desde crianças. Agora, estamos repassando isso para o meu sobrinho, mantendo a cultura do nosso carnaval que parece, a cada ano, estar acabando.  Hoje em dia é muito difícil ver alguém vestido de fofão. Raro mesmo”, contou o estudante Maicon Breno Oliveira, de 25 anos, morador da Madre Deus.

A secretária adjunta de Estado de Cultura e Turismo, Vanessa Leite, ressaltou a importância de resgatar a tradição nas comunidades.  “A Madre Deus é um dos berços da folia do carnaval maranhense, então o Governo do Estado vem organizar uma manifestação que já é espontânea. Todo mundo aqui tem um envolvimento com o carnaval. A gente dá só essa ênfase para que exista a valorização dos moradores da Madre Deus. A preocupação é que as comunidades brinquem de forma segura valorizando a nossa cultura”, disse.

Baile Infantil

No Espigão Costeiro da Ponta d’ Areia, o Baile da Turma Mônica levou a alegria para toda a garotada que se fez presente ao final da tarde de domingo na orla. Alguns pais aproveitaram para fantasiar os filhos e cair na folia mirim. “Muito bom esse espaço, onde a criança se diverte no ambiente familiar. A fantasia é para entrar no clima e a Luninha adora”, contou Lais Monteiro, nutricionista, tia da pequena Luna Monteiro.

Para animar toda a turma, o palhaço ‘Chiclete’ comandou a interação com brincadeiras no palco com os personagens Chico Bento, Mônica, Magali, Cebolinha, Cascão e a criançada. “Fazer isso é muito legal; as crianças gostam de brincar, se divertir e de mostrar o seu lado alegre. O trabalho é diferente porque a criança tem a oportunidade de diversão, música, brincadeira, alegria,  em um momento lúdico”, analisou o ator Paulo César Lobato, que se apresenta como palhaço Chiclete desde 1992.

No encerramento da programação do último domingo no Espigão, o cantor Carlos Berg, dono de um estilo eclético, levou ao público composições com sonoridades da cultura maranhense. Carlos é referência em musical por compor por participações em festivais regionais, como o Unireggae, Festival de Pinheiro,  Femasp, Festival de Música Carnavalesca e do Festival do Catulo de Paixão Cearense (Poesia).

 

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.