Google pode perder contrato com os Estados Unidos

O Departamento do Trabalho americano abriu uma ação judicial contra a Google, exigindo que o governo cancele seus contratos com a companhia se ela continuar se recusando a entregar dados sobre as remunerações dos funcionários, informou a CNNMoney. O pedido de informações sobre os pagamentos é parte de uma auditoria de rotina nos modelos de contratação — que devem ter práticas para garantir a igualdade de oportunidades—, exigida porque a companhia mantém contrato com o goverNo federal.

A Google fornece serviços de computação em nuvem para várias agências federais e militares. Por isso, é obrigada abrir seus registros para o governo a fim de comprovar que não discrimina candidatos por raça, religião, orientação sexual, gênero etc. De acordo com o processo, o Google recusou-se repetidamente a fornecer nomes, informações de contato, histórico de trabalho e detalhes de histórico salarial que o governo solicitou.

O Departamento do Trabalho está agora solicitando que um juiz ordene todos os contratos federais do Google cancelados a menos que cumpra o pedido.

“Apesar de ter tido muitas oportunidades de entregar essas informações voluntariamente, a Google se recusou a fazê-lo”, disse Thomas M. Dowd, diretor interino do Gabinete de Programas de Cumprimento de Contratos Federais (OFCCP), em comunicado. “Nós abrimos este processo para que possamos obter as informações que precisamos para completar a nossa avaliação.”

Em comunicado, a Google afirmou que forneceu “centenas de milhares de registros”, mas criticou os dados solicitados no processo como “abrangentes no escopo” e como um risco para a privacidade dos funcionários. “Esses pedidos incluem milhares de informações de contato privadas dos funcionários, que protegemos com rigor”, disse a companhia em nota. “Esperamos continuar trabalhando com OFCCP para resolver este assunto”.

Outras empresas que prestam serviços ao governo já enfrentaram exames dos reguladores. O Departamento de Trabalho processou a Palantir, uma empresa secreta de software de dados co-fundada por Peter Thiel, em setembro por supostamente discriminar contra os candidatos a emprego

Por O Globo

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.