Desvio de carga e extorsão praticados por Bardal são investigados pela polícia

A Superintendência de Combate à Corrupção (Seccor) investiga a suposta participação do delegado Tiago Bardal em outro esquema de contrabando. Uma carga apreendida, em agosto do ano passado, não teve destino revelado e teria sido interceptada pelo delegado.

De acordo com informações da polícia, o proprietário chegou a ser extorquido pelo delegado, que teria cobrado R$ 100 mil para um ‘acordo’.

Tiago Bardal está preso desde o dia 2 de março e teve o habeas corpus negado pela Justiça do Maranhão. O desembargador Tyrone José Silva informou não conhecer e não ter competência para esse caso de tráfico internacional de entorpecentes.

Bardal foi preso na Operação Combate à Corrupção que resultou no estouro de dois depósitos clandestinos com mercadorias contrabandeadas na zona rural da capital. Além do delegado, um coronel e policias militares e o ex-vice-prefeito de São Mateus (MA) foram presos por suspeita de integrarem a quadrilha de contrabando. Nessa operação, 18 mandados de prisão foram expedidos.

Mais de 10 mandados já foram cumpridos na Operação ‘Combate à Corrupção’

Informações da Operação Combate à Corrupção são passadas para a Justiça Federal

Concedido Habeas Corpus a advogado que acompanhava Tiago Bardal

Áudio vazado de vice ex-prefeito é investigado pela polícia

 

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.