Cresce número de usuários de drogas no Centro e aumenta violência na área

 

 

De acordo com a polícia, está havendo uma migração de dependentes químicos para o centro de São Luís, o que contribui para a quantidade de ocorrências; nos últimos 15 dias, três homicídios foram registrados na região

 

SÃO LUÍS

 

As estatísticas da Polícia Civil mostram que a quantidade de dependentes químicos na região central da cidade vem aumentando. Com isso, houve um aumento no número de ocorrências polícias registradas na localidade. Somente nos últimos 15 dias foram registrados três homicídios dolosos na região e em todos eles pelo menos um usuário de drogas estava envolvido.

 

No sábado, dia 12, ocorreu mais um crime, que teve como vítima Ariele Santiago Cardoso, de 27 anos, assassinada a tiros na área da Fonte das Pedras, onde é grande a presença de dependentes químicos. Ela era dependente química, e a Polícia Civil já está investigando o caso, que se soma agora a várias outras ocorrências no local.

 

Outro caso aconteceu no início deste mês, no dia 2, e teve como vítima José Fabiano de Medeiros Junior, de 28 anos. Ele, que também era dependente químico, foi assassinado a golpes de arma branca, no Mercado Central.

 

No dia 26 de julho, Genivaldo Silva, de 32 anos, foi assassinado a golpes de arma branca na Praça Gonçalves Dias. Ele era usuário de drogas, e a polícia suspeita que o autor do delito também seja dependente químico.

 

Aumento

De acordo com o delegado Joviano Furtado, titular do 1º Distrito Policial (1º DP), os inquéritos relacionados a essas ocorrências já foram instaurados, e os crimes estão sendo investigados. Segundo ele, o aumento dos casos está diretamente relacionado com a maior quantidade de dependentes químicos existentes hoje, na região central da cidade.

 

Essa situação pode ser observada na Fonte das Pedras, onde no fim de semana foi registrado o assassinato de Ariele Santiago Cardoso. Na manhã de ontem, O Estado esteve no local e verificou que era grande a quantidade de dependentes químicos no local, dormindo nos bancos, que antes serviam a pessoas que costumavam frequentar o espaço para o lazer, descanso e contemplação.

 

No início da manhã e no fim da tarde, o número de usuários no local é ainda maior. O abandono do espaço, com sujeira espalhada e bancos quebrados, é um convite a mais para a presença de dependentes químicos, que afugentam os visitantes da Fonte das Pedras.

 

Ainda acordo com o delegado, é observada a migração de dependentes químicos para a região central da cidade vindos de outros locais, como do bairro do João Paulo. Como consequência, tem-se o registro das ocorrências policiais na área, como os homicídios e os arrombamentos dos estabelecimentos comerciais.

 

Essa migração foi resultado das sucessivas operações feitas pela polícia na região da Cracolândia, no João Paulo, que fizeram com que houvesse uma diminuição do tráfico na localidade. Além disso, como a região já estava saturada, os dependentes químicos foram para outros locais, e o Centro foi o ponto escolhido em virtude da existência de um grande fluxo de pessoas, um atrativo para eles cometerem os delitos.

 

Em relação aos homicídios, o titular do 1º DP explicou que os casos ocorrem por causa de acerto de contas oriundas do tráfico de drogas ou então desentendimentos entre os próprios dependentes químicos.

 

 

Resolução

 

Para resolver essa situação, o delegado afirmou que tem reforçado a atuação policial na localidade. Na sexta-feira, foi feita a prisão no distrito policial, de um indivíduo por tráfico de drogas e outra de lesão corporal de natureza grave.

 

Ouras ações estão sendo planejadas para a região com o intuito de diminuir a quantidade de ocorrências na região central da cidade. “Nós vamos fazer a retirada das pessoas das ruas e encaminhá-las para o tratamento adequado”, pontuo o delegado Joviano Furtado.

 

Nesse sentido, uma das formas de tratamento dos dependentes químicos que estão nas ruas é encaminhá-los para o Centro de Atendimento Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD), no bairro do Montes Castelo.

 

Já foram realizadas diversas operações pela Polícia Civil de retirada dos dependentes das ruas, que em seguida são encaminhados para o centro. No local, eles participaram de uma série de atividades e passam por tratamentos médicos com o objetivo de serem reinseridos novamente na sociedade, livres da dependência do crack, maconha e outros entorpecentes.

 

Atendimento aos dependentes químicos é realizado no CAPS AD

 

Estima-se que hoje existem, em toda a Região Metropolitana de São Luís, mais de 10 mil dependentes químicos, usuários de drogas e álcool. O Centro de Atendimento Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD) é uma referência no atendimento desse público, atendendo somente no ano passado mais de 8 mil pessoas – a maioria foi oriunda dos bairros Barreto, Cidade Operária, Liberdade e João Paulo.

 

Conforme as estatísticas do CAPS, foram 8.045 atendimentos realizados no ano passado a pessoas com problemas decorrentes do uso de álcool e drogas. Houve um amento de aproximadamente 33% em relação a 2015, quando foram 6.015 atendimentos realizados naquele ano.

 

A unidade oferece tratamento diário à população com transtornos decorrentes do abuso e dependência de substâncias psicoativas (álcool e outras drogas), ofertando tratamento de acordo com as diretrizes determinadas pelo Ministério da Saúde, que tem por base o tratamento do paciente em liberdade, buscando sua reinserção social.

 

No momento em que chegam ao CAPS, os usuários passam pelo aconselhamento, recebem alimentação e higienização além de avaliação psicológica. Os usuários que se dispuserem a se internar e não tiverem familiares na cidade são encaminhados para a Unidade de Acolhimento Transitório/Unidade de Internação (UAT), na Cohab. Se houver condições de fazer o tratamento apenas no CAPS, a família do paciente é contatada para apoiar o tratamento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FONTE: IMIRANTE.COM

 

 

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.