Conversa com Sérgio Machado complica situação Romero Jucá no governo Temer

A conversa de Michel Temer com

NAVIO17 - RJ - 18/11/2010 - TRANSPETRO/NAVIO - ECONOMIA OE JT - O presidente da Transpetro, Sergio Machado, concede entrevista coletiva no centro do Rio, para falar sobre o lançamento ao mar do terceiro navio do Programa de Modernização e Expansão da Frota da Transpetro (Promef), que ocorrerá na sexta-feira no Rio de Janeiro. Foto: PAULO VITOR/AGENCIA ESTADO/AE
NAVIO17 – RJ – 18/11/2010 – TRANSPETRO/NAVIO – ECONOMIA OE JT – O presidente da Transpetro, Sergio Machado, concede entrevista coletiva no centro do Rio, para falar sobre o lançamento ao mar do terceiro navio do Programa de Modernização e Expansão da Frota da Transpetro (Promef), que ocorrerá na sexta-feira no Rio de
Janeiro. Foto: PAULO VITOR/AGENCIA ESTADO/AE

nesta segunda-feira (23) começou com o presidente em exercício recordando o trecho de seu discurso de posse quando afirmou seu apoio à Operação Lava Jato. Segundo pessoas próximas a Temer, a senha foi dada: ou Jucá dá uma explicação convincente ou terá de deixar o governo.

A situação de Jucá fica delicada porque o ministro do Planejamento é investigado na Lava Jato e já teve denúncia oferecida pela Procuradoria Geral da República.

No centro do governo, no entanto, por mais contundentes que tenham sido as afirmações de Jucá para explicar a tal conversa com Sérgio Machado, o afastamento do cargo seria “apenas uma questão de tempo”.

Temer quer agir rápido, ainda nesta segunda-feira ou no máximo até esta terça (24). O compromisso do presidente em exercício com o ministro é esperar a repercussão da entrevista na qual o peemedebista deu esclarecimentos sobre a conversa com Sérgio Machado.

O eventual afastamento de Jucá seria, portanto, uma oportunidade para Temer mostrar ou reafirmar seu compromisso com o prosseguimento da Operação Lava Jato. Na conversa que teve com o ministro do Planejamento no Palácio do Jaburu, Temer disse que o combate à corrupção é um dos anseios da sociedade que ele pretender responder com ações afirmativas, e esta ação é valorizar a Lava Jato.

A avaliação feita no governo foi a de que Jucá, político experiente, mesmo mantendo conversa cautelosa, caiu numa “armadilha” de Sérgio Machado. Para importantes assessores, o fato de ter gravado o ministro do Planejamento indica que Machado se prepara para fazer acordo de delação premiada.

E, nos bastidores, a informação é a de que outros caciques do PMDB teriam sido alvo de gravações de Sérgio Machado. Por isso, há grande preocupação no mundo político peemedebista com isso.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.