Após negar compartilhar delação de Silval, STF avisa que haverá novas operações

A delação do ex-governador Silval Barbosa ainda trará novas operações e desdobramentos. A revelação foi feita pelo vereador Marcelo Bussiki (PSB), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó, que investiga o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, acusado no documento de ter recebido dinheiro de propina do ex-chefe do executivo estadual.

Bussiki afirmou, em entrevista ao site RepórterMT, que o Supremo Tribunal Federal (STF) e a Procuradoria Geral da República (PGR) negaram o compartilhamento das provas referentes a delação do ex-governador e de pessoas próximas a ele. A negativa, de acordo com o parlamentar, se deu por conta de que ela ainda terá desdobramentos.

Os pedidos de compartilhamento foram feitos pelo Ministério Público Estadual (MPE) e pela CPI do Paletó. Bussiki esteve reunido em Brasília, na última semana com o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, Mauro Curvo, Patrícia Neves, chefe de Gabinete do ministro Luiz Fux, relator do processo, e Carlos Alberto Vilhena, subprocurador-geral da República.

“O STF ouviu a Procuradoria-Geral da República que emitiu um parecer pelo não compartilhamento das provas, neste momento, com a Câmara e nem com o Ministério Público Estadual porque é uma delação que tem desdobramentos”, disse Bussiki.

O primeiro desdobramento da delação do ex-governador foi a Operação Malebolge, deflagrada em setembro de 2017. De acordo com o vereador, as investigações não estão paradas e que a demora se deve ao tamanho da delação feita por Silval Barbosa, classificada como monstruosa pelo próprio ministro do STF, Luiz Fux. “As ações estão sendo realizadas e na conversa que tivemos lá, vários desdobramentos da delação estão sendo feitos e eles garantiram que não estão parados, mas a delação é grandiosa. Investigações estão sendo feitas e até que se ofereça a denúncia a PGR não vai compartilhar essas informações com a Câmara Municipal nem com o Ministério Público para não prejudicar a investigação que eles estão fazendo”, explicou.

Até o momento, a delação de Silval resultou na “Operação Malebolge”. Os alvos foram deputados estaduais da legislatura passada que foram denunciados pelo ex-governador num esquema de cobrança de propina. Também tiveram mandados cumpridos cinco conselheiros do Tribunal de Contas do Estado, que também foram afastados dos cargos.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.