Afogamento em Pindaré atrai atenção para falta de fiscalização em rios no Maranhão

Na tarde do domingo (8), Luís Fernando Nascimento Silva, de 31 anos, pediu para dar um passeio em uma embarcação motorizada chamada de ‘voadeira’ na cidade de Pindaré-Mirim, a 259 Km de São Luís.

Segundo testemunhas, em um trecho da curva do rio Pindaré o piloto fez uma manobra brusca e o homem acabou caindo no rio e afundando. Apenas por volta da 18h30 da noite de segunda (9) o corpo subiu e foi recolhido pelos bombeiros.

Segundo testemunhas, Luís Fernando teria se afogado após cair no rio Pindaré durante uma curva realizada pelo piloto da embarcação. (Foto: Reprodução/TV Mirante )

Segundo testemunhas, Luís Fernando teria se afogado após cair no rio Pindaré durante uma curva realizada pelo piloto da embarcação. (Foto: Reprodução/TV Mirante )

Esta é a primeira morte por afogamento no período de veraneio no rio Pindaré, mas outras duas pessoas já haviam falecido durante uma enchente que durou de janeiro a maio. A morte de Luís chamou a atenção para a falta de fiscalização e segurança nas embarcações e nas áreas de rios e lagos usadas para o lazer.

Na região é possível flagrar embarcações sem equipamento de segurança e que são usadas para passeios e transporte de passageiros. Também não há fiscalização sobre a habilitação de quem pilota as embarcações ou sobre equipamentos de segurança. A comandante do Corpo de Bombeiros de região reforçou os cuidados paras as pessoas ao entrarem no rio ou em uma embarcação.

“A orientação é não beber demais, utilizar o colete guarda-vida e, principalmente, andar em emcarcações seguras”, informou a major do Corpo de Bombeiros, Érica Lindoso.

 

 

 

 

 

 

 

No rio Pindaré é comum encontrar pessoas navegando sem equipamento de segurança (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Por meio de nota, a Marinha do Brasil, por intermédio da Capitania dos Portos do Maranhão (CPMA), disse que uma equipe será designada para se dirigir à cidade de Pindaré-Mirim para colher mais informações da embarcação, do condutor e da vítima, para subsidiar a possível abertura de um inquérito administrativo para apurar as causas, circunstâncias e responsabilidades do acidente. FONTE G1

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.